Comerciante antipetista lucra após pichação em lanchonete motorizada

Dezessete dias depois da eleição presidencial mais acirrada da história do Brasil, o comerciante potiguar Idacildo Cortez, 53 anos, teve a sensação de que, em Natal, estava em curso o terceiro turno da disputa. Ao sair para o trabalho, ele topou com duas frases pichadas na sua Kombi–Lanche estacionada a 200 metros da sua casa. “Não compre aqui ele é anti-PT e fala mal de petista”, recomendava a primeira. “Peça a Aécio que ele apaga”, aconselhava a segunda.

A reação inicial misturou medo e surpresa. Idacildo critica frequentemente o governo Dilma Rousseff nas redes sociais, mas nunca imaginou que pudesse sofrer uma retaliação do gênero. “Eu apenas tento mostrar notícias que provam que esse governo está acabando com o Brasil, mas eles parecem não querer enxergar”, disse ao site de VEJA, nesta quinta-feira, a vítima do ataque clandestino.”É que nem corno apaixonado”, compara. “A gente esfrega na cara, mostra foto da mulher traindo, mas não adianta”.

Ele confirma que, depois de ter votado em Marina Silva no primeiro turno, optou pelo candidato tucano na etapa decisiva. Mas não precisou da ajuda de Aécio Neves para remover uma das frases: bastou-lhe a aplicação de um solvente. A fórmula não funcionou no lado da Kombi que ficou exposto ao sol depois da pichação. Como a tinta secou, a limpeza ficou bem mais complicada.

O abatimento inicial foi neutralizado em poucos dias por efeitos contrários aos desejados pelos vândalos. A história se espalhou e os fregueses traduziram seu apoio a Idacildo com manifestações de bom humor. O veículo ganhou o apelido de “Kombi-Reaça”. O produto mais consumido pela clientela foi rebatizado de “Coxinha Opressora”.

“O pessoal gosta de chamar quem é contra o PT de ‘Coxinha e Reacionário’”, explica o comerciante. “Levei na esportiva e aceitei a sugestão, que está fazendo o maior sucesso. Até turistas de Curitiba, São Paulo e outras cidades já vieram me cumprimentar”. Idacildo não detalha os números, mas confirma que o faturamento cresceu.

coxinha opressora
A “Coxinha Opressora”, lanche preferido entre os clientes

No Rio Grande do Norte, onde o lulopetismo é hegemônico, Dilma Rousseff obteve 69,96% dos votos no segundo turno. No Nordeste, segundo Idacildo, é muito difícil assumir de peito aberto uma postura oposicionista. ”Nordestino que não vota no PT sofre preconceito, sim”, garante o alvo da investida anônima, que sobe o tom de voz ao mencionar um caso exemplar: “Já tentei várias vezes um financiamento com o BNDES e nunca consegui. Um amigo petista que tem uma empresa parecida com a minha conseguiu. Parece perseguição”.

Fonte: Veja

Comentar

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.