Deputados evangélicos querem proibir solteiros nos motéis

“Conter o pecado da fornicação no Brasil”, é esse o objetivo desse polêmico projeto de lei que busca intimidar o acesso de solteiros aos motéis. Será que funcionaria?

A comissão de constituição e justiça da Câmara dos Deputados está avaliando a constitucionalidade do projeto de autoria do deputado Josias Macieira (DEM-TO) que estabelece a obrigatoriedade da apresentação da certidão de casamento nas recepções de motéis. O projeto que conta com amplo apoio da bancada evangélica no Congresso quer coibir o pecado da fornicação no Brasil.

Segundo o deputado Josias Macieira “a razão social dos motéis os permitem a fazer hospedagens de curta duração, no entanto o que vemos hoje é a prática da fornicação e da prostituição. Em defesa da família e dos bons costumes queremos coibir o avanço da sem-vergonhice neste país que já é tão profanado”.

Carlos Campos Junior, presidente da Associação Paulista de Motéis (APAM), considera aviltante o projeto de lei por interferir na intimidade dos brasileiros. Para Campos Junior “quem faz sexo é solteiro. Casado faz amor. Quem é casado não tem tempo nem dinheiro e muito menos vontade de ir em motel. Este projeto coloca em risco cerca de 50 mil empregos diretos e mais de 400 mil indiretos”.

O pastor Diógenes Oliveira, presidente da Associação Mundial das Assembleias de Deus, é radical ao avaliar o argumento da APAM. Para o pastor Diógenes “não importa quantos empregos vão deixar de gerar o fechamento dos motéis. Se é pra aliviar quem gera emprego assinem a carteira de quem trabalha em boca de fumo. O sexo não pode ser banalizado. Sexo fora do casamento e sem finalidade reprodutiva é carimbo no passaporte para o inferno”.
Caso a comissão de constituição e justiça avalie positivamente o projeto ele deve ser votado em agosto e pode entrar em vigência no mais tardar em setembro. Se você é solteiro aproveite seus últimos dias de acesso livre e irrestrito a estes playgrounds do prazer.

Fonte: Jornal Meia Hora

Comentar

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.