Festa anunciada no facebook atrai multidão na Vila Mariana

O que era para ser uma pequena “house party” (festa em casa) deixou mais de 400 adolescentes parados na porta de um edifício na Vila Mariana na tarde de ontem e mobilizou até mesmo três carros da Polícia Militar.

O grupo começou a ser barrado na portaria depois que a festa, divulgada pelo Facebook para começar às 16h, excedeu o limite de 60 pessoas permitidas para ocupar a churrasqueira e outros espaços da área de lazer.

Assustados com a quantidade de jovens que ocupava boa parte da quadra, vizinhos chamaram a polícia com medo de que eles invadissem o prédio, um condomínio de 25 andares e 150 apartamentos na rua Conde de Irajá.

Parte dos jovens, no entanto, alega que apenas queria receber o dinheiro do ingresso de volta. A festa, anunciada como “open bar”, custava R$ 20 para quem colocava o nome na lista, R$ 25 para quem pagava na hora e R$ 40 em uma “área VIP”.

“Já liguei para minha amiga e falei que miou, não vai dar para entrar”, disse a estudante Leila, 14, que esperava na porta do prédio. Após a chegada da PM, por volta das 17h10, os jovens começaram a se dispersar.

A subsíndica do edifício, que pediu para não ser identificada, justificou o impedimento da festa. “Eu estava vindo tranquila do meu tai chi chuan e tem isso. Botei para fora. Não vai entrar e acabou. Tomei vaia de alguns, e daí?”

Segundo ela, a festa tinha sido autorizada pelo pai de um dos jovens que organizava o evento, mas o condomínio não sabia que, no Facebook, a festa já tinha cerca de 600 pessoas confirmadas.

De acordo com a subsíndica, o fato de haver bebida para menores era inaceitável. “São jovens de escolas boas. E os pais pagam uma fortuna pra isso?”, disse.

Segundo a PM, o movimento já havia sido dispersado por volta das 18h45.

Duas horas depois, alguns jovens ainda apareciam na porta. A maioria não conhecia os organizadores da festa. “Recebi o convite por amigos. Mas quem estava fazendo eu não sei quem era não”, disse o estudante Allan, 16.

A Folha tentou localizar os organizadores e pais dos responsáveis pela festa, mas não conseguiu contato. A festa teve a ajuda de um jovem que não mora no prédio. Francisco, 17, amigo de um deles, disse que o colega fez a festa escondido. “A mãe dele nem sabe. Ela foi viajar.”

Moradores e vizinhos disseram que o acesso à rua ficou prejudicado. “Levei 15 minutos para descer a rua”, disse Aline Ramos, 23. Após o tumulto, a festa da multidão virou comentário entre os moradores. “Parecia saída da prova do Enem”, brincou um dos moradores, que não quis divulgar o seu nome.

Fonte: Folha

Comentar

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.