Homem é condenado a seis anos de prisão por usar barba longa

Grupos de uigures no exílio denunciam que a violência é consequência de anos de repressão das autoridades à cultura do povo uigur

A China impôs uma pena de prisão a um uigur por utilizar uma longa barba, uma decisão classificada nesta segunda-feira (3o) de inaceitável e absurda por um grupo de defesa desta minoria muçulmana com sede no exterior.

Um tribunal de Kashgar, na região autônoma de Xinjiang, no oeste do país, condenou recentemente a seis anos de prisão um homem de 38 anos, publicou o jornal da juventude da China. Sua esposa enfrenta, por sua vez, dois anos de prisão.

O homem “deixava a barba crescer desde 2010”, enquanto sua mulher “usava véu e uma burca”, práticas punidas pelas autoridades regionais, indicou o jornal. O casal era acusado de “avivar conflitos e provocar distúrbios”.

Esta sentença “é inaceitável e absurda”, denunciou Dilxat Rashit, porta-voz do Congresso Mundial Uigur, uma organização de defesa desta minoria.

Segundo ele, trata-se de um caso “típico da perseguição política” sofrida pelos uigures, muçulmanos turcófonos que formam a primeira etnia em Xinjiang.

As autoridades locais realizam uma extensa campanha contra o véu e a barba nesta região, palco de atentados e confrontos mortíferos que Pequim atribui sempre a separatistas e extremistas religiosos.

Um funcionário de Kashgar negou-se a confirmar à AFP as informações publicadas pelo jornal chinês, que aparecia parcialmente censurado nesta segunda-feira na internet.

O caso seguia, no entanto, alimentando as conversas nas redes sociais chinesas, onde alguns internautas faziam perguntas sobre a verdadeira eficácia deste tipo de proibição.

“A quantos anos de prisão teriam condenado Marx?”, pergunta ironicamente um internauta, em referência ao filósofo de longa barba, figura chave para o regime comunista.

Fonte: AFP

Comentar

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.