Mulheres fazem greve de sexo para exigir conserto de rodovia

Um grupo de mulheres decididas e uma estrada intransitável acabaram convertendo a vida sexual de uma pequena cidade da Colômbia em um assunto de Estado.

Mais de três meses depois de terem iniciado uma greve de sexo, as mulheres e os homens de Barbacoas (oeste colombiano) estão celebrando o começo das obras na via que une o município à capital do estado de Nariño, Pasto.

As “grevistas” negaram relações sexuais com seus parceiros até que o governo iniciasse as obras. A cerimônia que deu início à rodovia ocorreu na última semana, com a presença do prefeito da cidade, do governador de Nariño e do próprio ministro dos Transportes da Colômbia, que representou no evento o presidente Juan Manuel Santos.

Essa não é a primeira vez que colombianas recorrem ao que chamam de “greve das pernas cruzadas” como forma de protesto.
Em 2006, as esposas de membros de algumas gangues do departamento de Pereira se recusaram a ter relações sexuais até que eles deixassem as armas.

“FINAL MELHOR”

“Estamos muito felizes, mas isso (as obras) é apenas o começo, e costuma-se dizer que o final é sempre o mais agradável”, disse à BBC Mundo Maribell Silva, juíza local e uma das organizadoras do protesto – do qual participaram quase 300 mulheres e alguns homens de Barbacoas.

“Na cidade estão nos dando os parabéns, mas muitos dizem: ‘Como assim que as pernas não estão mais cruzadas? Aguentem até que nós tenhamos segurança, até que tenhamos a rodovia (pronta)’. Mas nós já nos desmobilizamos”, comentou ela, entre risadas.

A desconfiança se explica porque, segundo Silva, o orçamento para a pavimentação da rodovia já havia sido aprovado e desembolsado pelo governo em ao menos cinco ocasiões prévias. Mas a via, de 57 km de extensão, continua praticamente intransitável.

“A corrupção a destruiu, (a via) foi roubada. E roubaram toda uma comunidade, porque não se trata apenas de um município. A rodovia vai beneficiar ao menos três cidades”, agregou a juíza.

O caminho a Barbacoas enfrenta outro problema além de seu mau estado: é conhecido pela presença de diversos grupos armados.

Localizado entre a fronteira colombiana com o Equador e o oceano Pacífico, o estado de Nariño é estratégico para as guerrilhas das Farc e do ELN, bem como para gangues criminosas de
origem paramilitar que se dedicam ao narcotráfico.

O município de Barbacoas também é rico em ouro, mineral que vem se convertendo em uma importante fonte de recursos financeiros para os grupos armados ilegais.

E todos esses fatores influenciaram na hora que as mulheres decidiram optar pela “guerra do sexo” como forma de despertar atenção para a situação local.

Barbacoas tem pago um preço alto por sua inacessibilidade. As sete horas necessárias para percorrer os 57 km da rodovia não asfaltada são excessivos, por exemplo, para pessoas que precisam de atendimento médico urgente.

“Fui testemunha da morte (na rodovia) de uma mulher em trabalho de parto, uma jovem de 22 anos. Foi algo marcante para mim”, relatou Silva. “Este município está totalmente atrasado.
Temos que tomar banho e cozinhar com a água da chuva, porque não temos dutos de água.”

Para ela, o aparente sucesso da greve de sexo em Barbacoas pode servir de exemplo para o resto da Colômbia.

“Estamos tentando convencer o país de que, de forma pacífica, podemos conquistar muitas coisas.”

Fonte: BBC

Comentar

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.