Pintor é internado após pregar seus testículos em protesto

O pintor russo Piotr Pavlenski foi hospitalizado neste domingo depois de pregar seus testículos, usando um martelo, nos paralelepípedos da Praça Vermelha de Moscou. A obra de arte, que ele chamou de “Fixação”, era um protesto contra o governo de Vladimir Putin, coincidindo com o Dia da Polícia russa.

Completamente nu e com suas partes íntimas presas aos paralelepípedos, Pavlenski ficou imóvel por mais de uma hora olhando seus testículos, numa ação que classificou como “metáfora da apatia, indiferença política e fatalismo da sociedade russa atual”. A temperatura em Moscou hoje é de 10ºC.

O manifesto de Pavlenski dá mais explicações sobre a motivação da obra de arte: “não é a arbitrariedade dos cargos públicos que priva a sociedade de sua capacidade de agir, mas sua fixação em derrotas e perdas que nos prega com cada vez mais força aos paralelepípedos do Kremlin, convertendo as pessoas em estátuas que aguardam, resignadas, seu destino.”

O Kremlin é o histórico complexo de palácios onde vive o presidente da Federação Russa.

Depois de uma hora e meia contemplando seus testículos em protesto contra a arbitrariedade, Pavlenski foi levado a um hospital de Moscou. Segundo a agência oficial RIA-Novosti, assim que for tratado ele será detido. A polícia classificou a intervenção artística como “algo normal para um doente psíquico”.

protesto bizarro 2

O conjunto da obra de Pavlenski já é conhecido dos russos.

Em 3 de maio, sua obra “Corpo” consistia em ele ficar completamente nu para rolar na cerca de arame farpado da Assembleia Legislativa de São Petersburgo.

De acordo com o artista, ela simbolizava “a existência humana num ambiente de repressão legal, quando o menor movimento provoca uma duríssima reação do sistema legislativo, que se finca no corpo do indivíduo.”

Em junho do ano passado, Pavlenski costurou sua própria boca em solidariedade à prisão de integrantes da banda feminina Pussy Riot. Elas foram presas por cantar contra o presidente Vladimir Putin no principal templo da Igreja Ortodoxa Russa.

Em frente à catedral de São Petersburgo, de lábios presos, ele carregava um cartaz que dizia: “A ação do Pussy Riot numa encenação da famosa ação de Jesus Cristo” – a expulsão dos vendilhões do templo.

Fonte: EFE

Comentar

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.