Rei saudita dá 90 bilhões de reais à população do país

Para se ter uma ideia do tamanho da generosidade do rei, o Bolsa Família, maior programa assistencialista do mundo, custa aos cofres públicos R$ 24 bilhões por ano

Enquanto os europeus buscam austeridade econômica, os americanos lutam para acertar seu orçamento e os brasileiros encaram um arrocho fiscal, o rei da Arábia Saudita caminha no sentido contrário. Como um gesto de boa fé, e através de um decreto real, o rei Salman, que assumiu o trono no mês passado após a morte do rei Abdullah, doou US$ 32 bilhões de dólares, aproximadamente R$ 90 bilhões, a uma grande parcela da população saudita.

Para se ter uma ideia do tamanho da doação, o programa de assistência social do governo brasileiro Bolsa Família, o maior programa assistencialista do mundo, custa aos cofres públicos R$ 24 bilhões por ano, mais de três vezes menos que o montante oferecido de uma só vez pelo rei saudita.

A doação é maior que o orçamento anual da Nigéria, a maior economia da África. O valor supera o PIB de muitos países africanos, como o da Costa do Marfim (US$ 31 bilhões), Burkina Faso (US$ 11 bilhões) e Camarões (US$ 29 bilhões). Se dividido pelo número total da população do país, 28 milhões, renderia mais de US$ 1.100 para cada habitante.

O valor inclui gratificações a associações profissionais, literárias e clubes esportivos, investimentos em água e eletricidade e bônus equivalentes a dois meses de salário para todos os empregados do governo, soldados, pensionistas e estudantes no país e no exterior. Algumas empresas privadas concederam bônus comparáveis a seus funcionários, colocando mais alguns bilhões no bolso dos felizardos.

Queda preocupante do petróleo

A maior parte da doação será distribuída neste mês, incluindo os bônus. Aproximadamente três milhões, dos 5,5 milhões de pessoas empregadas no país, são funcionários do governo, segundo o Grupo Ashmore, um fundo de investimentos.

Para o analista da Jadwa Investimentos, Rakan Alsheikh, a atitude é estranha, considerando que 90% das finanças da Arábia Saudita são baseadas no petróleo e o preço do combustível caiu cerca de 20% no mercado internacional. A Jadwa projetou o maior déficit do planeta para o país em 2015, US$ 44,5 bilhões. Com esse novo gasto, o déficit deve subir para US$ 67,2 bilhões, ou 9% do PIB.

Fonte: Opinião e Notícia via New York Times

Comentar

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.