Índia oferece emprego de carrasco com urgência

A decisão da Justiça indiana de condenar à morte Mahendra Nath Das, de 45 anos, levou o país a se lançar numa busca de um profissional um tanto incomum: um carrasco para enforcar o acusado de decapitar na rua um outro homem, com ajuda de uma foice. Na Índia, a pena de morte é aplicada muito raramente, e realizada apenas por enforcamento.

Nos últimos 15 anos, houve apenas dois enforcamentos no país, e nenhum deles no estado de Assem, nordeste, que lançou um comunicado a outros estados à procura de alguém que saiba como preparar a corda e fazer um nó que possibilite uma morte suave ao condenado. A tarefa, no entanto, tem se mostrado mais difícil do que o esperado. A última execução judicial no país foi realizada em 2004, quando um segurança foi enforcado por estuprar e matar uma adolescente.

Na época, Nata Mullick, o carrasco mais famoso da Índia, então com 84 anos e aposentado, foi recrutado para a tarefa, em troca de um bom dinheiro e um emprego para seu neto. Mullick foi responsável pela execução de 25 das 55 pessoas condenadas à morte na Índia desde que o país se tornou independente, em 1947. Ele gostava de considerar seu trabalho como uma arte: a de impedir que o condenado sofra nos minutos finais de sua vida. Mas Mullick morreu em 2009, e como as condenações a esse tipo de pena são esporádicas, pouquíssimas pessoas no país têm o treinamento para realizar o trabalho.

Caso autoridades do estado de Assem não encontrem ninguém, eles poderão permitir que algum prisioneiro se candidate ao papel. Mas até agora, ninguém se candidatou. Enquanto não encontram um carrasco, o enforcamento de Das é sistematicamente adiado.

– Das está esperando que de alguma forma ele seja salvo – diz Brojen Das, carcereiro da prisão.

Fonte: Extra

Comentar

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.